Copo Cerveja

sem título

( Leandro De Maman )


ser
veja
a si
tosco
oco
como
copo
poco
da
verdade
sicabe
ou
sisabe

Copo Cerveja
Poetadas

Comentários (0)

Permalink

Excertos de uma Taverna Moderna – Repentes à beira-mar

( Agente do Caos )


(Coro)

À Beira mar, À Beira mar

Eu vim aqui pra beber,

Mas eu quero é namorar!
mais… »

Copo Cerveja
Nonsense

Comentários (1)

Permalink

Infernalmente gelada

( Alcyr Spíndola )


Záu estava irrequieto. Bom, demônios estão sempre irrequietos, mas a falta de atividade o deixava mais irrequieto. Ele era um demônio menor, nunca tendo sido “famoso”, teve sua fase áurea alguns séculos atrás, quando o aumento da população humana aqueceu o mercado de trabalho dos demônios. Depois, os humanos se tornaram mais independentes e demonstraram sua grande capacidade de fazer o mal por conta própria, dispensando da ajuda dos demônios. O mundo ficou quase tão chato quanto aquela época entre a criação do universo e o surgimento da humanidade: milhões de anos e nada pra fazer. E cá estava ele, parado de novo. Entediado, ele resolve deixar o inferno e vir checar o que o seu padre pedófilo favorito estaria aprontando. Seria apenas uma missão de observação, já que o padre em questão não precisava de nenhum incentivo ao pecado, mas serviria para passar o tempo até que surgisse uma nova inspiração para agir, pois Záu, como bom demônio que era, preferia um papel mais ativo em seus negócios. Assim como o padre. Mas no caminho até o padre, Záu topa com uma distração.
mais… »

Arte
Copo Cerveja
Prosada

Comentários (0)

Permalink

Reticências

( ferioxp )


Enquanto a garrafa de cerveja precipitava-se em câmera lenta mesa afora, o copo já alcançava o chão, espatifando-se em minúsculos caquinhos. A franja castanha redemoinhava no ar, fios soltos, encobrindo parcialmente os olhos assustados.

May observa algo, séria,tocando de leve o vidro gelado da janelinha do quarto, a lágrima caindo dos olhos verdes. São belos esses verdes refletidos, porque choram.
mais… »

Arte
Copo Cerveja
Prosada

Comentários (0)

Permalink

Sonata da Cerveja (para pianos desafinados)

( Thalita Coelho )


Mariana andava nas ruas pedindo dinheiro pra cerveja. Era descabelada, tinha no mínimo a mesma quantidade de espécies de piolho que Bob Marley em seus últimos dias e andava com um tênis que havia ganhado de uma velhinha da igreja, que vivia fazendo rifas e arrecadações para “jovens carentes”.Mariana não era carente. Ela não pedia porque era pobre, nem porque sentia fome. Mariana queria cerveja, e foi cerveja a vida toda que ela pediu.
mais… »

Arte
Copo Cerveja
Prosada

Comentários (1)

Permalink

Joana, o cabo de vassoura e o avental de margaridas

( Sarah Zewe Uriarte )


E ela me olhava, me chamava, me gritava. Do outro lado da rua, minha mulher fazia o mesmo. Estava entre elas: a mulher e a cerveja. E por mais que aquela cena me soasse um tanto patética: um homem perto de seus 40 anos, não de todo feio, mas com uma barriga considerável e meio careca, sentado na mesa de um bar, fitando um copo de cerveja e desejando que ele fosse seu, assim como as garotas no balcão; e sua mulher do lado oposto, com seu avental de margaridas e o habitual pano de louça pendurado no ombro, chamando seu nome. Talvez, fosse exatamente por isso que gostava tanto da cerveja: não usava avental de margaridas, nem pendurava panos de louça como acessório.
mais… »

Arte
Copo Cerveja
Prosada

Comentários (0)

Permalink